Pular para o conteúdo principal

Esse país ainda vai ser livre da corrupção, diz Sergio Moro

Recebido como celebridade entre juízes e desembargadores de Santa Catarina, o juiz federal Sérgio Moro palestrou nesta sexta-feira durante o Congresso Estadual de Magistrados, em Itapema. Tirou fotos, conversou com os participantes e deu até autógrafos. 

O painel não foi muito longo. Por cerca de 20 minutos, Moro falou sobre a corrupção no Brasil e o papel do Judiciário no cenário atual. Depois respondeu perguntas do público, criticou a morosidade dos processos e disse que o Judiciário não conseguirá mudar o país sozinho.

Ovacionado por mais de 200 magistrados presentes, Moro iniciou a palestra relembrando o período da ditadura e do descontrole inflacionário no país – fases que, segundo ele, chegaram a ser vistas como algo natural por quem viveu naquelas épocas. Em seguida, as comparou com a situação atual:

— Esse caso (a Lava-Jato) revela indícios de algo que muitos de nós cogitávamos que era a realidade neste país e talvez seja. E é uma realidade preocupante, um quadro de corrupção sistêmica e que não podemos ter como natural. Há indícios, neste caso, de pagamentos sistemáticos de propina à administração pública — afirma.



O juiz relembrou que muitas testemunhas ouvidas sequer sabiam explicar o motivo das propinas pagas e que a resposta era assustadora: “essa era a regra do jogo”. De acordo com Moro, existia uma norma de que em todo contrato com a Petrobras havia pagamento de propina e isso não era restrito à estatal, mas estava espalhado pela administração pública brasileira:

Esse quadro, se for verdadeiro, representa aquela naturalização do problema. São fatos que nos deixam assustados.

Em seguida falou sobre a responsabilização de crimes do colarinho branco e sobre a baixa efetividade do sistema penal, que faz com que casos como a Lava-Jato se tornem apenas exceções. 

Segundo o magistrado, mesmo com toda exposição do problema o Congresso e o Executivo não apresentaram propostas para melhorar o quadro atual.

Postagens mais visitadas deste blog

Juiz Moro diz que vai até o fim e pede apoio do povo brasileiro

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, disse que vai até o fim nos processos, não importa se os corruptos são ou não poderosos.
Moro ainda disse que se baseia nos fatos, nas provas e na lei, seja para condenar ou seja para absolver. 



Por fim, o Juiz que conquistou o Brasil e é visto mundo afora como ícone da Justiça e do Direito, convoca o povo brasileiro a apoiar ele e a Força Tarefa na luta por um Brasil melhor.
Faxina geral já! Povo em ação derruba qualquer político ladrão! Lava Jato neles!

Veja o vídeo
Clique aqui para assisti-lo!

Rede Globo fica com 90% do dinheiro arrecadado do Criança Esperança, diz documento descoberto

WikiLeaks divulga documento que mostraria que a Globo fica com 90% do dinheiro do Criança Esperança. Confira abaixo o link para o documento e confira você mesmo.

Com informações do Wikileaks Promovida pela TV Globo em parceria com o Unicef – Fundo das Nações Unidas para a Infância -, a campanha já arrecadou R$ 122 milhões, em 18 anos, investidos integralmente no Brasil.

O Show do Criança Esperança completou 18 anos de alegria. Sob o comando de Renato Aragão, a festa de solidariedade teve a sempre presente Xuxa e muitos outros convidados como Sandy & Junior, Caetano, Angélica e Maurício Mattar.

WikiLeaks divulga documento que mostraria que a Globo fica com 90% do dinheiro do Criança Esperança. Confira abaixo o link para o documento e confira você mesmo.



Um documento publicado pelo site WikiLeaks, famoso por divulgar materiais e informações confidenciais de governos e empresas, registra uma investigação sobre o recebimento de verbas da campanha Criança Esperança da Rede Globo pela Unesc…

R$ 3 trilhões foram roubados do povo brasileiro, diz Juiz Sergio Moro

Na sessão desta quarta-feira, o TCU recomendou por unanimidade a rejeição das contas da presidente Dilma. O parecer deverá ser encaminhado para o Congresso que definirá se segue ou não a orientação do tribunal.



O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, afirmou ontem (7) que o governo federal deixou de contabilizar mais de R$ 3 trilhões em passivos da Previdência no ano de 2014. O relator disse que alertou a presidente Dilma Rousseff sobre as inconsistências nas contas, mas que as medidas adotadas para resolver o problema foram “insuficientes”. “Nas contas do ano passado, relatadas pelo eminente ministro Raimundo Carreiro, alertei a presidente da república – inclusive pessoalmente porque estava muito preocupado com toda a situação que encontramos – sobre a existência de mais de R$ 2,3 trilhões – não estou falando de bilhões – trilhões em passivos atuariais e contingentes não contabilizados”, declarou. Segundo Nardes, o governo não ficou “inerte” frente ao alerta, …